quinta-feira, 27 de Março de 2014

27 de março é dia mundial do teatro

A mala voadora estreia 'Hamlet' no São Luiz Teatro Municipal (até 30 de março).
.
.

direcção Jorge Andrade . tradução e apoio dramatúrgico Fernando Villas-Boas . assistência de encenação David Cabecinha . cenografia José Capela, com fotografias de José Carlos Duarte . figurinos José Capela . desenho de luz Daniel Worm D'Assumpção . música original Rui Lima e Sérgio Martins . com Anabela Almeida, Carla Bolito, Carlos António, David Cabecinha, David Pereira Bastos, João Vicente, João Villas-Boas, Jorge Andrade, Manuel Moreira e Marco Paiva . apoio coreográfico Marco da Silva Ferreira fotografia de cena José Carlos Duarte imagem de divulgação Isaque Pinheiro: Bagagem de mão, 2009 (fotografia de Silvana Torrinha) . vídeo de divulgação Jorge Jácome e Marta Simões . produção Manuel Poças e Joana Costa Santos . assessoria gestão/programação Vânia Rodrigues . co-produção mala voadora e São Luiz Teatro Municipal residência O Espaço do Tempo apoio Depósito da Marinha Grande, Martins Alves Decorações, Servilusa, Sporesgrime, Teatro Nacional Dona Maria II, Teatro Nacional de São Carlos, Teatro Nacional São João agradecimentos António MV, Comuna Teatro de Pesquisa, Escola Superior de Teatro e Cinema, Fábio Nogueira, Luís Teixeira, Mariana Tengner Barros, Ruptura Silenciosa, Rute Carlos, Teatro da Garagem, Teatro Instável, Teatro Praga . A mala voadora é uma estrutura financiada pelo Governo de Portugal / Secretário de Estado da Cultura / Direcção-Geral das Artes, e associada d'O Espaço do Tempo e da Associação Zé dos Bois.
.
A mala voadora faz um Hamlet – a partir da versão que chegou até nós com o epíteto “mau quarto”.
.
Não somos uma companhia de teatro de repertório. Mas gostamos de “peças”. Com a mesma convicção com que não nos limitamos a elas. As peças, das mais ancestrais às “a estrear”, são mais uma matéria-prima – uma matéria que manipulamos com a liberdade que nos parecer favorável ao espectáculo (o texto ao serviço do espectáculo e não o espectáculo ao serviço do texto). Nunca vimos qualquer pertinência em sacralizar o “texto” e, como nos explicou Fernando Villas-Boas, Shakespeare também não.
.
É a primeira vez que fazemos um Shakespeare. Talvez não tenha acontecido antes devido à nossa desconfiança em relação à ideia de “clássico”. Mas gostamos verdadeiramente desta peça, cheia de teatro: a companhia de teatro incluída na narrativa, uma peça (falsamente!) citada dentro da peça, Hamlet encenador, um pai que encena a própria filha que se encena para o pai, um conjunto de personagens que, com uma curiosa manha, encenam situações e representam papéis, umas para as outras. Para além da meta-teatralidade que daqui resulta, ou de um possível propósito auto-reflexivo que em Hamlet possa cumprir-se, o que verdadeiramente nos interessou foi a possibilidade, designadamente lúdica, que a peça oferece de potenciar o exercício de “fazer de conta”.
.
Na mala voadora.porto, o Ballet Contemporâneo do Norte estreia 'Conspurcados', de Joclécio Azevedo (até 29 de março).
.
.
“Conspurcados” lida com a noção da procura de emancipação ao domínio das aparências. Corpos conspurcados, corpos impuros, corpos abjectos, corpos na iminência de se deixarem consumir pela voracidade das imagens que produzem. Há talvez também algo de belo na atracção pelo excesso, pela procura de limites, pelo processo de interrogação daquilo que cada corpo projecta para o exterior, como se estivessem todos imersos num jogo de identidades deterioradas à procura de uma possível reconstituição.
.
A possibilidade da escolha entre aceitar-se, rejeitar-se ou tornar-se indiferente a si próprio constitui o cerne desta espécie de jogo ou confronto entre interior e exterior, onde as possíveis fronteiras diluem-se na entrega do corpo ao acto de jogar e ao acto de interagir com os outros, com o espaço, com as imagens ou memórias despertadas.
.
No fundo o importante é tentar sobreviver ao jogo, reinscrever-se no mundo, recuperar o prazer de possuir um corpo, todo ele feito de dilemas.
.
Joclécio Azevedo

quinta-feira, 13 de Março de 2014

Hamlet . ensaio aberto n'O Espaço do Tempo (Blackbox, Montemor-o-Novo) . 14 março às 21.30

.
A mala voadora faz um Hamlet. A partir da versão conhecida como “o mau Quarto”.
.
Para alguns, o texto é uma edição “pirata” da peça, roubada de ouvido ou parcialmente reconstituída por actores. Outros descobriram que afinal o material é bastante funcional, mesmo se o verso pode ser mais curto de fôlego [e algo desarrumado], ou até graças a isso. Em vez de ser uma peça de actores (mal roubada), será uma peça para actores (feita à medida de uma montagem mais económica). Uma coisa é certa: o fôlego da acção é elástico. Trata-se de uma versão mais apressada da narrativa, com solilóquios mais impacientes e curtos. Estudos mais recentes, baseados na aplicação do material à cena, têm notado que se molda bem ao palco. As indicações cénicas exclusivas desta versão trazem pormenores que só podem ter sido captados por quem viu a peça em cena. É uma peça mais de grupo, com papéis mais distribuídos e um herói menos autocrático. E, sobretudo, avança para o desastre a passo ligeiro, com um Hamlet menos introspectivo e mais cru. É uma “peça de vingança” mais pura e bruta. Alec Guinness chamou-lhe "o Hamlet com um problema nos travões". Na sua pressa, parece ser propícia a ensaios curtos e à improvisação. E ao cómico (que injustamente alguma pompa romântica costuma roubar à versão maior). Apesar de reprovado literariamente (por atalhar os luxos líricos), o Mau Quarto tem sido louvado pela sua energia, pelo ritmo, pulsão narrativa, e pela sua magreza. O autor (ou revisor) deste texto terá sido um Shakespeare ainda mais despachado do que o costume. Um dos poucos elogios que nos chegou dele, da parte dos seus contemporâneos, foi o de que escrevia depressa. Samuel Johnson acrescentou: "Infelizmente, nota-se demasiadas vezes" – uma história que Jorge Luís Borges adorava.
.
direcção Jorge Andrade . tradução e apoio dramatúrgico Fernando Villas-Boas . assistência de encenação David Cabecinha . cenografia José Capela, com fotografias de José Carlos Duarte . figurinos José Capela . luz Daniel Worm d'Assumpção . banda sonora Rui Lima e Sérgio Martins . com Anabela Almeida, Carla Bolito, Carlos António, David Cabecinha, David Pereira Bastos, João Vicente, João Villas-Boas, Jorge Andrade, Manuel Moreira e Marco Paiva . imagem de divulgação Isaque Pinheiro: Bagagem de Mão, 2009 (fotografia Silvana Torrinha) . produção Manuel Poças e Joana Costa Santos . assessoria gestão/programação Vânia Rodriges . coprodução São Luiz Teatro Municipal . residência O Espaço do Tempo . A mala voadora é uma estrutura financiada pelo Governo de Portugal / Secretário de Estado da Cultura / Direcção-Geral das Artes, e associada d'O Espaço do Tempo e da Associação Zé dos Bois.

sexta-feira, 7 de Março de 2014

'Oslo - fuck them all' na mala voadora.porto

.
Depois de um primeiro período de residência (3-7 fevereiro), a equipa de 'Oslo' volta à mala voadora.porto para um segundo período de residência e para um ensaio aberto no dia 8, sábado, às 21.30. O espectáculo estreará no TAGV, em Coimbra, onde será apresentado dias 12 de março (21.30) e 13 de março (21.30 e 24.00).
.
Oslo – fuck them all and everything will be wonderful é sobre "tudo" o que não retrata: a relação entre uma mãe, de cuidados obsessivos, e a sua filha, cujo estado é enigmático. Ambas vivem numa casa, longe da cidade, visitada por várias pessoas, uma amiga da família e quatro homens com funções distintas. Todos tentam satisfazer as vontades da casa. O espectáculo é sobre o que escapa ao retrato: uma tentativa de viver sem a perda.
.
cocriação Mickael de Oliveira e Nuno M Cardoso . texto Mickael de Oliveira . com Albano Jerónimo, Mónica Calle e Raquel Castro . cenografia José Capela . luz Rui Monteiro . produção executiva Stage One . assistência de produção e de direção: Ana Catarina Campos e Pedro Barbosa . coprodução Colectivo 84 e Cão Danado . apoio: DGArtes e Teatro Académico de Gil Vicente . residências artísticas mala voadora e Companhia Olga Roriz . fotografia: FALCK . agradecimentos Kaya Michelle

A mala voadora.porto conhece as crianças do projecto Vitória 283.

 fotografia Silvana Torrinha
.
Vitória 283 é um novo projecto da mala voadora, realizado em parceria com o Centro Social de Nossa Senhora da Vitória (CSPNSV) e a A3S - Associação para o Empreendedorismo Social e a Sustentabilidade do Terceiro Sector, e co-financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian no âmbito do programa PARTIS - Práticas Artísticas para a Inclusão Social.
.
Durante dois anos, a mala voadora e as crianças da Freguesia da Vitória propõem-se partir da exploração do percurso urbano entre o Centro Social da Vitória e a mala voadora.porto, na Rua do Almada nº 283, recorrendo a diversas práticas artísticas e ferramentas de observação, com o objectivo de inventar a nossa relação com a cidade do Porto.

sábado, 22 de Fevereiro de 2014

mala voadora.livros

'3 peças de Chris Thorpe para a mala voadora' é um livro que reúne 'overdrama', 'casa & jardim' e 'dead end', em português e em inglês. 'Modos de não fazer nada' é um catálogo de cenografias de José Capela. Podem ser adquiridos através de producao.malavoadora@gmail.com ou nas livrarias:
.
Ler Devagar
Letra Livre (Calçada do Combro e ZDB)
Livraria do TNDMII
Pó dos Livros
Poetria (Porto)
.

segunda-feira, 10 de Fevereiro de 2014

Terminou este fim de semana o 1º período de residência de 'Oslo' na mala voadora.porto.

Estiveram em residência Albano Jerónimo, Mickael Oliveira, Mónica Calle, Nuno M Cardoso e Raquel Castro.

segunda-feira, 3 de Fevereiro de 2014

a mala voadora apresenta 2 espectáculos em Cabo Verde

.
philatélie . 7 fev . Centro Cultural do Mindelo (Auditório) . 21.30

direcção Jorge Andrade . texto Miguel Rocha . som Sérgio Delgado . com Anabela Almeida, Jorge Andrade e Sérgio Delgado . co-produção Fundação Calouste Gulbenkian – Programa Gulbenkian Criatividade e Criação Artística
.
Título e Escritura . 8 fev . Centro Cultural do Mindelo (Pátio) . 21.30
um espectáculo da mala voadora e do Teatro Oficina . texto Will Eno . tradução e encenação Marcos Barbosa . com Jorge Andrade . cenografia e figurino José Capela . desenho de luz Ricardo Santos . coprodução Teatro Oficina . agradecimentos Emílio Gomes e Sérgio Martins
.
produção Manuel Poças e Joana Santos . consultoria gestão/programação Vânia Rodrigues . parceria Polo do Mindelo do Centro Cultural Português . A mala voadora é uma estrutura financiada pelo Governo de Portugal / Secretário de Estado da Cultura / Direcção-Geral das Artes e é associada da Associação Zé dos Bois e d’O Espaço do Tempo.

quinta-feira, 16 de Janeiro de 2014

O decisivo na política não é o pensamento individual, mas sim a arte de pensar a cabeça dos outros (disse Brecht). 24-25 janeiro na mala voadora.porto, às 21.30


.
um comício protagonizado por Jorge Andrade, com texto de Salvador Allende, Yasser Arafat, Chiang Kai-Shek, Winston Churchill, Álvaro Cunhal, Dalai Lama, Charles De Gaulle, Josef Estaline, Fidel Castro, Patrick Henry, Imperador Hirohito, Adolf Hitler, Muhammar Kadhafi, Vladimir I. Lenine, Martinho Lutero, Martin Luther King, Nelson Mandela, Mao Tsé-Tung, Benito Mussolini, Napoleão I, General Patton, Yitzhak Rabin, Oliveira Salazar, Andrei D. Shakarov, Shimon Peres, Mário Soares, Elizabeth Stanton, Aung San Suu Kyi, Leon Trotsky (e um hit dos Beatles)
.

RESERVAS: reservas.malavoadora@gmail.com
.
de e com Jorge Andrade . colaboração Pedro Gil . vídeo Itziar Zorita Aguirre . cenografia José Capela . som Isabel Novais e Hugo Franco . assistência John Romão . 55 minutos
.
co-produção Serralves/Mugatxoan, Citemor e Galeria Zé dos Bois . apoio Comuna Teatro de Pesquisa . financiado (em 2008) por Ministério da Cultura - Direcção Geral das Artes . A mala voadora é uma estrutura financiada pelo Governo de Portugal / Secretário de Estado da Cultura / Direcção-Geral das Artes e é associada da Associação Zé dos Bois e d’O Espaço do Tempo.

segunda-feira, 13 de Janeiro de 2014

no Porto, workshop de Marcelo Evelin . uma iniciativa de Serralves que terá lugar na mala voadora.porto



O workshop será centrado nas questões teórico-práticas que estimularam a sua última criação “de repente fica tudo preto de gente”. As ideias de Elias Canetti no livro “Massa e Poder” e a formação de uma massa disforme de singularidades, vão ser elementos abordados neste encontro com o coreógrafo brasileiro.

Destinatários: bailarinos, coreógrafos, atores e artistas interessados em usar o corpo como suporte de um pensamento contemporâneo.
Inscrição: 20 euros
Lotação: 20 participantes
Local de realização: mala voadora.porto, R. do Almada, 277
Horários: 26 JAN 2014 (Dom), 16h00 -21h00; 27 JAN 2014 (Seg): 18h00-22h00

Para mais informações e inscrição clique aqui.


Para além de coreógrafo, Marcelo Evelin é bailarino e um investigador reconhecido pela criação e trabalho conjunto com o Núcleo do Dirceu, uma plataforma de artistas e produtores independentes voltada para a pesquisa e desenvolvimento das Artes Performativas Contemporâneas, em Teresina-Piauí, Brasil, entre 2006 e 2013.


sábado, 28 de Dezembro de 2013

3 peças de Chris Thorpe para a mala voadora + A Sala Branca + Albert Camus + Alex Kelly + Alkantara + Amaya González Reyes + Ana Brandão + Ana Chaves + Ana Maria Simões + Anabela Almeida + André Júlio Teixeira + António MV + ArtemRede + Association Arsène + Auditório Municipal Augusto Cabrita (Barreiro) + Bernardo Almeida + Bernardo Vaz de Castro + British Council Edinburgh Showcase + Bruno Huca + Bruno Simão + Carla Bolito + Carlos António + Carlos Maia + Cátia Mateus + Cena Brasil Internacional (Rio de Janeiro) + Centro de Criação do Candoso (Guimarães) + Chantiers d’Europe + Chris Thorpe + Cineteatro S. João (Palmela) + Cláudia Gaiolas + Culturgest + Daniel Worm D’Assumpção + David Cabecinha + David Pereira Bastos + dead end + Diana Sá + Don DeLillo + Eduarda Carepa + Eduardo Abdála + Emílio Gomes + Eva Nunes + Fábrica ASA (Guimarães) + Filomena Louro + Flávia Gusmão + Fórum Dança + Francisca Rodrigues + Francisco Frazão + Fundação Calouste Gulbenkian + Gare Franche (Marselha) + Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura + Isaque Pinheiro + Jani Zhao + Jari Marjamäki + Joana Bárcia + João d’Almeida + João Lemos + John Romão + Jorge Andrade + José Capela + José Carlos Duarte + José Júpiter + José Madeira + José Meneses + Lucy Ellison + Luís Bastos + Manuel Poças + Márcia Breia + Marco Paiva + Marcos Barbosa + Maria João Guardão + Maria Matos Teatro Municipal + Mário Caetano + Marseille-Provence 2013 Capital Europeia da Cultura + Michel Jacquelin + Miguel Fragata + Miguel Pereira + Miguel Rocha + modos de não fazer nada + Mónica Garnel + Nuno Coelho + Nuno Lucas + O Espaço do Tempo + O gigante egoísta e as variações de humor + Os Justos + Odile Darbelley + Oscar Wilde + overdrama + Paraíso 1 + Paraíso 2 + Pedro Gil + Pedro Vieira de Carvalho + philatélie + PT’13 (Montemor-o-Novo) + R2 + Rachael Walton + revelação + Ricardo Santos + Rita Lopes Alves + Rui Lima + Sérgio Delgado + Sérgio Martins + Sheffield Theatres + Sílvia Filipe + Simão Cayatte + Simon Rummel + Susana Paiva + Susana Vaz + Tânia Alves + tanzhaus nrw + Teatro Académico Gil Vicente (Coimbra) + Teatro Aveirense + Teatro Municipal de Bragança + Teatro Oficina + Teatro Viriato (Viseu) + Teatromania Festival (Byton, Polónia) + Teresa Ferreira + Théâtre de la Ville (Paris) + Théâtre des Bernardines (Marselha) + Theatro Circo (Braga) + Third Angel + Tiago Barbosa + Tiago Bartolomeu Costa + Título e Escritura + Valentina Parlato + Vânia Rodrigues + viagem low-cost + Victor Hugo Pontes + Wagner Borges + Warwick Arts Centre + what I heard about the world + Wilde + Will Eno + ZDB
+
(na maratona 10x10) Alex Cassal + Alex Kelly + Amaya González Reyes + Ana Borralho + Ana Brandão + Anabela Almeida + André Calado + Bernardo Almeida + Bruno Canas + Bruno Huca + Carla Galvão + Carla Maciel + Carlos António + Chris Thorpe + Cláudia Gaiolas + Companhia Maior + Dany Yella + Deborah Krystall + Dinarte Branco + Dood Paard + Felipe Rocha + Filipe Homem Fonseca + Flávia Gusmão + Gonçalo Alegria + Gonçalo Waddington + Isabel Abreu + Isaque Pinheiro + Jacinto Lucas Pires + Jenny Larrue + Joana Bárcia + João Galante + Jorge Andrade + José Carlos Duarte + Leo Preston + Lucy Ellison + Luís Mestre + Magda Bizarro + Margarida Cardeal + Marta Furtado + Michel Blois + Miguel Borges + Miguel Pereira + Mónica Garnel + Mundo Perfeito + Nelson Guerreiro + Paula Diogo + Pedro Gil + Rachael Walton + Renato Linhares + Rui Horta + Rui Lima + Samantha Rox + Sérgio Martins + Sílvia Filipe + Stella Rabello + Tânia Alves + Thomas Walgrave + Tiago Barbosa + Tiago Cadete + Tiago Rodrigues + Tónan Quito + Victor Hugo Pontes + Vítor Hugo
+
(em residência na mala voadora.porto) 3/quartos + António MV + Mariana Tengner Barros + Miguel Loureiro + Pedro Filipe Marques + Rogério Nuno Costa + Sara Graça
=

2013

sexta-feira, 13 de Dezembro de 2013

Anabela Almeida em 'Lecture for Every One' de Sarah Vanhee . 14 dezembro às 18.30 no Maria Matos

.
Lecture for Every One não é um espetáculo, é uma intrusão amigável, um vírus benigno que se propaga nas veias da cidade. Durante uma semana, entre 7 e 14 de dezembro, Sarah Vanhee e Anabela Almeida juntar-se-ão a reuniões e assembleias em vários contextos ― uma conferência num hotel de luxo, uma assembleia municipal, uma reunião do sindicato, a reunião de equipa de uma multinacional, um ensaio de um coro de igreja ― para dar uma pequena palestra. Apenas uma pessoa sabe da sua visita, para todos os outros a sua gentil intromissão é uma surpresa. No seu discurso, Sarah Vanhee procura abordar os cidadãos como indivíduos e como coletivo, evitando a linguagem impessoal da lei, da política, da comunicação social e da publicidade. “Lecture for Every One é um conjunto híbrido de histórias e reflexões políticas com um impulso performativo. No texto, abordo algumas das minhas preocupações acerca da nossa convivência e da condição do comum. Tento repensar uma ética do comum e da partilha, propondo novas ficções, diferentes das que predominam na sociedade ocidental contemporânea.” No último dia da sua estadia, Sarah Vanhee fará uma apresentação do projeto e uma visita guiada ao seu percurso inusitado por pequenas e grandes reuniões na cidade de Lisboa.
.
conceito e texto Sarah Vanhee . em colaboração com Juan Dominguez Rojo, Berno Odo Polzer, Dirk Pauwels & Kristien Van den Brande . performance versão inglesa Sarah Vanhee . performance versão portuguesa Anabela Almeida . coordenação com organizador local e website Edith Goddeeris, Marika Ingels e Linda Sepp . tradução Nuno Ventura Barbosa . produção CAMPO . coprodução Kunstenfestivaldesarts & Frascati Producties . apoio STUK Kunstencentrum . imagem © x-ray delta one (cc by-nc-sa 2.0) . Lecture for Every One é uma apresentação da rede House on Fire e é apoiada pelo Programa Cultura da União Europeia

terça-feira, 3 de Dezembro de 2013

Enquanto 'Paraíso 2', a nova colaboração entre a mala voadora e os Third Angel, se inicia numa residência no Warwick Arts Centre, 'Os Justos' é apresentado na mala voadora.porto. 5 e 6 dezembro, às 21.30.

.
A partir da peça de Camus, Os Justos foi a primeira encenação de Jorge Andrade, em 2004, sem cenógrafo, sem figurinos, sem nenhum técnico a operar o espectáculo, com um programa distribuído dentro de um saco de plástico preto e com um cartaz feito com a fotografia de um caixote. A peça propõe um confronto de perspectivas éticas sobre a morte sacrificial que é motivada por um ideal de transformação do mundo. Ao mesmo tempo que o grupo de terroristas tenta cometer um atentado, os actores tentam construir o espectáculo. Os Justos foi distinguido com a menção honrosa dos Prémios Madalena Azeredo Perdigão atribuída nesse ano.
.
texto  Albert Camus . tradução e adaptação  elenco original . direcção  Jorge Andrade . com  Anabela Almeida, John Romão, Miguel Fragata, Pedro Gil e Wagner Borges . colaboração coreográfica  Miguel Pereira . sonoplastia  Sérgio Delgado . apoio dramatúrgico  Suzana Vaz . fotografias de cena  Susana Paiva (2004) e José Carlos Duarte (2013) . produção  João Lemos e José Madeira . assessoria gestão/programação  Vânia Rodrigues . financiado (2004) pelo Ministério da Cultura / Instituto das Artes . apoio Fundação Calouste Gulbenkian, Câmara Municipal de Lisboa e Teatro da Garagem . A mala voadora é uma estrutura financiada pelo Governo de Portugal / Secretário de Estado da Cultura / Direcção-Geral das Artes e é associada da Associação Zé dos Bois e d’O Espaço do Tempo.

oficina 'Paraíso 1', concebida por Anabela Almeida, na ZDB


A mala voadora.porto inaugurou!

.
Para além das equipas dos espectáculos Título e Escritura e Paraíso 1 (Ana Brandão, António MV, Buno Huca, Daniel Worm d'Assumpção, David Cabecinha, João Lemos, Jorge Andrade, José Capela, José Meneses, Luís Bastos, Marcos Barbosa, Michel Jacquelin, Odile Darbelley, Ricardo Santos, Rui Lima, Sérgio Martins, Simon Rummel, Vânia Rodrigues), da partcipação de Chris Thorpe e do DJ Rodrigo Affreixo, esta inauguração foi possível graças ao generoso contributo de A Oficina, Academia Contemporânea do Espectáculo, Alkantara Festival, Casa da Música, Fundação de Serralves, O Espaço do Tempo, Porto Lazer, Teatro Bruto, Teatro Praga, Ana Cristina Vicente, Amaya González Reyes, Carlota Quintão, Eva Nunes, Frederic Correia, Mariana Rodrigues, Mónica Garnel, Rute Carlos, Silvana Torrinha e Vidal Vidal.

sexta-feira, 22 de Novembro de 2013

'Paraíso 1' . estreia hoje na Gare Franche em Marselha . de 26 a 29 novembro no Maria Matos

Paraíso 1 é uma colaboração entre a companhia de teatro mala voadora, de Lisboa, a transdisciplinar Association Arsène, de Paris, e o músico Simon Rummel, de Colónia. A missão desta equipa será descrever o paraíso. Descrever uma paisagem. Em inglês, que é a sua língua comum. Mas também nas suas três línguas de origem – português, francês e alemão – cada uma com a sua musicalidade. E cantam. Paraíso 1 é um musical a três vozes em que se descreve uma paisagem.
.

de e com Jorge Andrade, Odile Darbelley e Simon Rummel . banda sonora Rui Lima e Sérgio Martins, com as vozes de Ana Brandão e Bruno Hiuca . colaboração e cenografia José Capela e Michel Jacquelin . colaboração dramatúrgica David Cabecinha . imagem de divulgação António MV . produção João Lemos . consultoria para a gestão e a programação Vânia Rodrigues . coprodução mala voadora, Association Arsène, Maria Matos Teatro Municipal, Théâtre des Bernardines, O Espaço do Tempo, tanzhaus nrw e Marseille-Provence 2013 – Capital Europeia da Cultura . financiado por Institut Français, Conseil Régional PACA e EHESS Paris (Labex) . A mala voadora é uma estrutura financiada pelo Governo de Portugal / Secretário de Estado da Cultura / Direcção-Geral das Artes e é associada da Associação Zé dos Bois e d’O Espaço do Tempo.

quinta-feira, 24 de Outubro de 2013

programa de comemoração dos 10 anos da mala voadora no Maria Matos

maratona 10 anos 10 horas (mala voadora + Mundo Perfeito)
26 out . 16.00 - 02.00 . entrada (e saída) livre

overdrama
31 out - 01 nov . 21.30

what I heard about the world (mala voadora + Third Angel)
08 - 09 nov . 21.30

1 conversa com 10 convidados (mala voadora + Mundo Perfeito)
10 nov . 18.30

Os Justos
14 nov . 21.30

Paraíso 1 (mala voadora + Association Arsène + Simon Rummel)
26 - 29 nov . 21.30

lançamento de 2 livros e anúncio do programa da mala voadora para os próximos 10 anos
29 nov . 18.30